Tratamentos

Tratar adequadamente (de forma correta e no tempo ideal) um problema ocular, evita danos maiores secundários às doenças que acometem nossos olhos, podendo melhorar a visão; mas sobretudo evitando a perda visual, que pode, em casos muitos graves, chegar à cegueira completa. É importante ressaltar ainda que somente um médico oftalmologista especialista está capacitado suficientemente para avaliar e indicar o tratamento mais adequado para cada caso.

Utilizado pela primeira vez na medicina há um pouco mais de 50 anos e constantemente modernizado, os LASERs (acrônimo para “Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation”) são uma das mais modernas formas de tratamento disponíveis na medicina moderna e por consequência, na oftalmologia.

Seus vários tipos podem tratar diversas de doenças oculares desde doenças da retina (fotocoagulação), glaucoma (trabeculoplastia a laser e iridotomia), capsulotomia pós-catarata (“limpeza da Lente intraocular”) e realizar cirurgias refrativas (cirurgias para “correção do grau”). Os tipos mais frequentemente utilizados de laser em oftalmologia são:

Laser Verde: laser de cor verde (comprimento de onda de 532 nanômetros) usado para fotocoagulação, isto é a cauterização de tecidos. É fundamental no tratamento de doenças da retina como na retinopatia diabética, tromboses venosas da retina e no tratamento de lesões retinianas predisponentes ao descolamento de retina (degenerações lattice, buracos atróficos, roturas ou rasgaduras).

Laser Diodo Infra-Vermelho: laser infravermelho (comprimento de onda de 810 nanômetros) utilizado principalmente para a fotocoagulação da retina durante procedimentos de vitrectomia (cirurgia vitreorretiniana) e fotocoagulação sob anestesia como na retinopatia da prematuridade.

Laser Excimer: laser ultravioleta (comprimento de onda de 193 nanômetros). Produz a ablação (corte ou excisão) do tecido irradiado. É o laser utilizado em cirurgias refrativas (Cirurgias para correção de grau).

Laser Nd-YAG: laser infravermelho (comprimento de onda de 1064 nanômetros). Produz disrupção (microrrupturas teciduais) no tecido irradiado. É o laser utilizado na capsulotomia pós-catarata (conhecida como limpeza de Lente intraocular) e também em procedimentos de glaucoma como a iridotomia a laser (microaberturas irianas em casos de Glaucoma de ângulo estreito).

Em diversas doenças oculares é produzido um fator denominado de VEGF (“Vascular Endothelial Growth Factor”, em português: Fator de crescimento endotelial vascular).

Essa substância produzida pelo organismo encontra-se aumentada em diversas doenças oculares como na degeneração macular relacionada à idade (DMRI), retinopatia diabética, oclusões venosas da retina (tromboses venosas) e no glaucoma neovascular.

Os medicamentos anti-VEGF, administradas por meio de injeção intravítrea, são utilizados para inibir o fator de crescimento vascular endotelial.

Nos últimos 10 anos, estes medicamentos revolucionaram o tratamento das doenças oculares permitindo a recuperação visual e/ou melhora de doenças anteriormente tidas como intratáveis.

Para doenças oculares onde há edema macular (inchaço do centro da retina) como na retinopatia diabética, nas oclusões venosas da retina (tromboses) e nas uveítes (inflamações intraoculares), podem estar indicados os implantes intravítreos de corticoides (dexametasona, triancinolona, fluorcinolona, etc). Esses implantes permitem com que a medicação seja liberada de forma gradual, fornecendo a quantidade de medicamento para o tratamento do problema por um tempo prolongado

AGENDE SUA CONSULTA

Copyright © 2024 – Todos os direitos reservados.

ÁREA DE ATUAÇÃO: Neuro-oftalmologia, Retina e Vítreo, Visão Sub-normal, Oftalmologia Geral

GRADUAÇÃO:Formado em Medicina pela Universidade Federal de Goiás – UFG (1996)

RESIDÊNCIA MÉDICA: Residência Medica em Oftalmologia na Universidade de Santo Amaro, São Paulo, SP(UNISA)

ESPECIALIZAÇÃO: Fellow em Retina e Vítreo no Centro Brasileiro de Cirurgia de Olhos – CBCO (1998-1999)Fellow em Neuro-Oftalmologia na Universidade de São Paulo – USP (1999)

ATIVIDADES ACADÊMICAS:  Professor Adjunto III de Telemedicina da Faculdade de Medicina da UFG- Chefe do Setor de Neuro-Oftalmologia do Centro da Referência em Oftalmologia (CEROF/UFG)- Coordenador da Residência Médica em Oftalmologia do Hospital de Olhos Aparecida- Coordenador do Núcleo de Telemedicina e Telessaúde da Faculdade de Medicina da UFG- Coordenador do PROVAB – Programa de Valorização da Atenção Básica do Ministério da Saúde, pela UFG- Orientador de Mestrado do Programa Pós Graduação em Educação em Saúde da Universidade Federal de Goiás- Orientador de Doutorado e Mestrado do Programa Pós Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Goiás

TITULAÇÃO:  Doutorado em Telemedicina (Patologia) pela USP – Universidade de São Paulo- Título de Especialista em Oftalmologia conferido pelo MEC- Título de Especialista em Oftalmologia conferido pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e pela Associação Médica Brasileira (AMB).

FILIAÇÃO A SOCIEDADES CIENTÍFICAS: 

Membro do CBO: Conselho Brasileiro de Oftalmologia- Membro da PAAO: Organização Pan Americana de Oftalmologia- Membro da AAO: Academia Americana de Oftalmologia- Membro da ATA – Academia Americana de Oftalmologia- Membro da NANOS – Academia Norte America de Neuro Oftalmologia- Membro da SBRV: Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo- Membro da EURETINA – Sociedade Europeia de Retina-

Membro da SBAO: Sociedade Brasileira de Administração em Oftalmologia- Membro da SGO: Sociedade Goiana de OftalmologiaAcesso ao currículo lattes:

http://lattes.cnpq.br/3191620401627150