Subespecialidades

É grande o número de doenças que podem acometer a visão, afinal, a estrutura do olho humano é extremamente complexa. Por isso a Oftalmologia abriga hoje diversas subespecialidades, a fim de tratar de cada caso da melhor maneira possível.

É a subespecialidade que trata dos problemas relacionados à parte anterior do globo ocular, incluindo ao córnea (parte transparente), a conjuntiva (fina camada vascularizada que recobre a esclera) e a esclera (camada fibrosa e branca).

O sistema visual começa na retina e percorre as estruturas nervosas até o cérebro, local em que se processa a elaboração do fenômeno visual.

Neuroftalmologia é a subespecialidade que se ocupa do diagnóstico e tratamento dos problemas visuais de origem neurológica.

É uma subespecialidade da oftalmologia que trata das deformidades e anormalidades relacionadas às pálpebras, ao sistema lacrimal, à órbita ( cavidade óssea que circunda o olho) e às áreas da face anexas aos olhos. Contempla o tratamento de problemas funcionais e estéticos.

É a subespecialidade que se ocupa dos problemas relacionados à retina, como a retinopatia diabética, degeneração macular relacionada à idade (DMRI), descolamento da retina, entre outros.

É nela que mais de cem milhões de células fotossensíveis transformam a luz em impulsos nervosos, conduzidos ao cérebro através do nervo óptico, formando as imagens. Dessa forma, é possível afirmar que a retina é a parte do olho responsável pelo sentido da visão.

É a subespecialidade responsável pelos cuidados oftalmológicos na infância.

É nesse período que a visão se desenvolve e, por isso, merece atenção, pois problemas oculares podem dificultar a plena evolução da criança, afinal, grande parte do aprendizado se dá por meio da visão.

Além disso, se não forem tratados corretamente, podem deixar sequelas por toda vida.

 

O glaucoma é uma doença complexa, por isso a necessidade de uma subespecialidade para cuidar exclusivamente desses casos.

Ela atinge o nervo óptico, dificultando a drenagem do humor aquoso e provocando o aumento da pressão intraocular. O glaucoma é assintomático nos estágios iniciais e é comum que o primeiro sinal seja a perda da visão periférica, no entanto, isso só acontece em uma fase mais avançada.

A doença pode causar cegueira irreversível quando não tratada ou quando o tratamento é realizado de maneira inadequada.

AGENDE SUA CONSULTA

Copyright © 2024 – Todos os direitos reservados.

ÁREA DE ATUAÇÃO: Neuro-oftalmologia, Retina e Vítreo, Visão Sub-normal, Oftalmologia Geral

GRADUAÇÃO:Formado em Medicina pela Universidade Federal de Goiás – UFG (1996)

RESIDÊNCIA MÉDICA: Residência Medica em Oftalmologia na Universidade de Santo Amaro, São Paulo, SP(UNISA)

ESPECIALIZAÇÃO: Fellow em Retina e Vítreo no Centro Brasileiro de Cirurgia de Olhos – CBCO (1998-1999)Fellow em Neuro-Oftalmologia na Universidade de São Paulo – USP (1999)

ATIVIDADES ACADÊMICAS:  Professor Adjunto III de Telemedicina da Faculdade de Medicina da UFG- Chefe do Setor de Neuro-Oftalmologia do Centro da Referência em Oftalmologia (CEROF/UFG)- Coordenador da Residência Médica em Oftalmologia do Hospital de Olhos Aparecida- Coordenador do Núcleo de Telemedicina e Telessaúde da Faculdade de Medicina da UFG- Coordenador do PROVAB – Programa de Valorização da Atenção Básica do Ministério da Saúde, pela UFG- Orientador de Mestrado do Programa Pós Graduação em Educação em Saúde da Universidade Federal de Goiás- Orientador de Doutorado e Mestrado do Programa Pós Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Goiás

TITULAÇÃO:  Doutorado em Telemedicina (Patologia) pela USP – Universidade de São Paulo- Título de Especialista em Oftalmologia conferido pelo MEC- Título de Especialista em Oftalmologia conferido pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e pela Associação Médica Brasileira (AMB).

FILIAÇÃO A SOCIEDADES CIENTÍFICAS: 

Membro do CBO: Conselho Brasileiro de Oftalmologia- Membro da PAAO: Organização Pan Americana de Oftalmologia- Membro da AAO: Academia Americana de Oftalmologia- Membro da ATA – Academia Americana de Oftalmologia- Membro da NANOS – Academia Norte America de Neuro Oftalmologia- Membro da SBRV: Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo- Membro da EURETINA – Sociedade Europeia de Retina-

Membro da SBAO: Sociedade Brasileira de Administração em Oftalmologia- Membro da SGO: Sociedade Goiana de OftalmologiaAcesso ao currículo lattes:

http://lattes.cnpq.br/3191620401627150